fevereiro 16, 2004

MIKI no SC Braga

feher_scbraga.bmpDispensado injustamente por Fernando Santos no FC Porto, Miki Fehér viveu a sua melhor temporada em Portugal (e da sua carreira), no SC Braga. Foi a temporada de 2000 / 01. Jogando 26 jogos e marcando 14. Recordo-me da vitória no Bessa: 1-2 (2 golos do artista); 2-2 na Luz (o 1º golo do jogo foi do jovem húngaro); e outros momentos importantes. Passo a citar uma notícia do jornal Correio do Minho, que ilustra bem como no Braga gostavam muito de Miki Fehér...A morte de Miki Fehér deixou o desporto português de luto. O internacional húngaro deixa saudades, especialmente em Braga onde cumpriu a sua melhor época desportiva. Na época de 2000/01, Fehér vestiu a camisola arsenalista e revelou a sua veia de goleador, apontando 14 golos, em 26 jogos disputados pelo clube minhoto. Paulo Machado O adeus de Miki Fehér deixou o país de luto. Ninguém ficou indiferente ao trágico momento que ocorreu, no passado domingo, no Estádio D. Afonso Henriques. Os jogadores do plantel do Sporting de Braga — alguns dos quais conviveram directamente com o futebolista húngaro — receberam a notícia ainda na Madeira, poucos instantes antes da partida para o Continente, depois de terem disputado o jogo com o Nacional da Madeira. O pesar no seio do grupo arsenalista já era grande, tendo em conta a avolumada derrota (5-1) que sofreram no encontro disputado na Choupana. Mas depressa esse sentimento foi esquecido aquando souberam da a morte do jogador do Benfica. Os futebolistas do Sporting de Braga partiram para o Porto, desde o Funchal, às 23.40 horas, de domingo, já inteirados da dura realidade que se viveu na cidade-berço. Como é natural, durante a viagem no avião, o ambiente de consternação abateu-se sobre a comitiva bracarense. Por volta das 3 horas da madrugada, aquando chegaram ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, os jogadores do Braga depressa procuraram informações concretas sobre o estado de saúde do jogador húngaro. E ouviram aquilo que mais temiam... No regresso aos trabalhos, ontem à tarde, foi evidente o sentimento de consternação vivido no clube. Jogadores como Quim, Barroso, Artur Jorge, Castanheira e ainda Zé Nuno (agora treinador) conviveram de perto com o futebolista e preferiram lamentar a perda do colega de profissão em silêncio. Um silêncio sepulcral, sublinhado pelo enorme pesar estampado no rosto de cada um. Em Braga, Miklos Fehér viveu a sua melhor temporada desportiva, tendo contribuído de forma decisiva para aquela que ficou a melhor temporada de sempre da agremiação minhota. Disputou 26 jogos no Campeonato e facturou 14 golos. Em Braga, na época de 2000/01, Fehér revelou a sua enorme capacidade de goleador, no ano em que Manuel Cajuda estava no comando-técnico. No clube arsenalista Miklos Fehér fez história, teve uma influência decisiva naquela que foi a melhor época de sempre do Sporting de Braga (4.º lugar). Depois, regressou ao FC Porto, onde andou sempre a remar contra a maré, tendo consumado a transferência para o Benfica na época de 2002/03. Aos 24 anos, Fehér não resistiu a uma paragem cardio-respiratória e acabou por falecer... mas sem antes evidenciar um sorriso nos lábios que fica na memória de todos... Manuel Cajuda: “Fica no coração dos amigos” Manuel Cajuda, ex-técnico do Sporting de Braga, teve oportunidade de retirar o melhor proveito das qualidades do futebolista húngaro na época de 2000/01 quando o Fehér defendeu as cores do Sporting de Braga. Actualmente a treinar o Marítimo, o treinador não conseguiu disfarçar o sentimento profundo com a morte do seu expupilo. “Era um bom amigo e um jogador fantástico, toda a gente sabe da admiração qur tinha pelo Fehér e a vontade que tinha em o ter na minha equipa. Se há um ano feliz que teve em Portugal foi na família bracarense, era um míudo com 24 anos, a idade do meu filho, acho que não ha grandes coisas para falar. Vi o que se passou e apercebi-me logo que o Fehér não teria recuperação... Há dias cheguei a dizer que lutaria com todas as forças para ter o Fehér no Marítimo, mas a vida não quis que fosse assim. Agora, concerteza, vai ficar no coração dos amigos. Prefiro recodar o jovem sorridente goleador, um poço de ebergia que dava alegrias aos outros”, referiu o técnico. Artur Monteiro: “Elevou-se em todos os momentos” Artur Monteiro, director executivo do Sporting de Braga enalteceu as capacidades psicológicas de Miki Fehér, defindo que era um atleta “integro” e “muito profissional” sempre disposto “a elevar-se em todos os momentos”. “É profundamente lamentável a morte de um jovem que tinha tudo para ter sucesso na sua vida profissional, com quem privei aqui em Braga, e que tinha um aspecto de se elevar em todos os momentos. É um exemplo para os restantes colegas, de uma elevadíssima humildade e tinha um grau de amizade para quem o rodeava muito profundo. Por todas as vicissitudes que passou durante a sua vida profissional, teve sempre uma postura e uma integridade moral elevada. Foi sem dúvida um jogador que ficará para a história do Sp. Braga e será recordado por todos os bracarenses. A cima de tudo envergou com toda a postura e profissionalismo o nosso clube e lamento muito a morte dele”, apontou o dirigigente da agremiação bracarenses, Artur Monteiro. Fica o sorriso na memória Aquele sorriso esboçado por Miki Fehér, segundos antes de cair sobre o relvado, fica gravado na memória de todos aqueles que o conheceram, ainda que fosse somente pela televisão. E é esse sorrisso que foi lembrado pelos jogadores do Sporting de Braga, numa simples e singela homenagem prestada ao falecido futebolista. O regresso do plantel arsenalista aos trabalhos, depois da pesada derrota na Madeira, ficou marcado sem dúvida pelo ambiente de pesar pelo desaparecimento do colega que há três anos estava a jogar em Braga. Foi nesse sentido que os três capitães do conjunto bracarenses — Artur Jorge, Barroso e Quim — fizeram-se representar na sala de imprensa para transmitir uma única mensagem, em nome de todo o grupo. Os futebolistas foram acompanhados pelo técnico Jesualdo Ferreira, também ele se semblante carregado. Jesualdo Ferreira foi treinador de Fehér no Benfica e limitou-se a lamentar o sucedido, transmitindo as respectivas condolências à família do futebolista. Artur Jorge encarregou-se de ler o comunicado elaborado para o efeito, onde se destacam os elogios que foram direccionados para o ex-companheiro de equipa. A custo (notou-se), o capitão do Sporting de Braga completou a leitura do comunicado, bastante comovido. Regista-se ainda a fita negra que Barroso colocou no braço direito, como sinal de luta pela perda do amigo. No fundo, mais um “amigo” que estes jogadores do Sporting de Braga vêem partir, depois do trágico acidente, em Agosto de 2000, que levou a vida do jovem Pedro Lavoura. No actual plantel do Sporting de Braga permanece ainda Castanheira e Zé Nuno (agora treinador) que trabalham com Fehér no mesmo balneário. A estes juntam-se Pena e Soderstrom, dois jogadores que foram companheiros de equipa do atleta húngaro no FC Porto. Entretanto o plantel arsenalista cumpriu uma ligeira sessão de trabalho no Pavilhão Indoor, em Nogueira. Antes do treino todo o grupo de trabalho, mais presidente da SAD, cumpriram um minuto de silêncio. António Salvador comoveu-se Há duas semanas António Salvador confessou ser um admirador de Fehér, na altura em que se falava da possível transferência do jogador para Braga. A relação do actual presidente da SAD do Braga com o malogrado futebolista remonta ao tempo que o jogador defendia as cores do FC Porto. Na altura em que se preparava para falar aos jornalistas, o presidente da SAD do Sp. Braga comoveu-se e deixou escapar algumas lágrimas. “O desporto em geral está de luto porque perdemos um grande profissional. Conheci o Fehér ainda eu não era dirigente e posso dizer que ele tinha um grande carácter e uma humildade única. FIcará para sempre no meu coração”, frisou, sem se conter. Posted by jogarnedo_21 at fevereiro 16, 2004 11:46 AM
Comments
Comentário









Lembrar-se de mim?